ABUSO SEXUAL

 

O que é?

O abuso sexual implica uma série de práticas sexuais onde há a depreciação de alguns pressupostos necessários que têm de ocorrer para que seja considerado como tal, tais como a falta de consentimento (que pode ser explícito, no caso de adultos, ou implícito, no caso de menores) e uso da violência (física ou moral).

O abuso sexual é definido como qualquer actividade sexual entre duas pessoas sem que haja um consentimento de alguma delas. O abuso sexual pode ocorrer entre adultos, um adulto e um menor ou entre menores.

           
Tipos de abuso sexual

Existem vários tipos de abuso sexual e em todos eles, há necessidade de tratamento tanto dos abusadores, como das vítimas. Acontece, por vezes, que a vítima se pode tornar mais tarde num abusador.

- Abuso sexual infantil / Pedofilia (abuso de menores, incesto, molestação de menores)
                                            
A Pedofilia é um transtorno, onde a pessoa apresenta fantasia e excitação sexual intensa com crianças púberes, envolvendo sentimentos de angústia e sofrimento.

O abusador tem de ter, no mínimo, 16 anos de idade e ser pelo menos 5 anos mais velho que a vítima. A grande maioria dos abusadores são homens, mas suspeita-se que os casos de mães abusadoras sejam sub-diagnosticados.

As causas do abuso são variáveis. O abusador normalmente justifica os seus actos, afirmando que está a oferecer à criança oportunidades de desenvolvimento no sexo, o ser especial e saudável, praticando sexo com a permissão da criança.

Pode envolver-se afectivamente e deixar de ter qualquer noção de limites entre papéis e diferenças de idade.

Quando ocorre dentro do seio familiar, o processo é bastante complicado. Normalmente interna-se a criança para sua protecção. Nos casos em que a criança é também espancada, deve ser tratada fisicamente. O tratamento é então, inicialmente, direccionado para a intervenção em crise.

A família divide-se entre os que acusam o abusador, e os que acusam a vítima culpando-a pela participação e provocação do abuso.

Devido ao facto de o abuso de menores ser um crime, o tratamento do abusador torna-se mais difícil e complicado.

As consequências emocionais para a criança são bastante graves, tornando-a insegura, culpada, deprimida, com problemas sexuais e problemas nos relacionamentos íntimos na vida adulta.

 

- Estupro (violência ou violação sexual, ataque sexual)

O estupro é definido como o acto físico de atacar outra pessoa e forçá-la a praticar sexo sem o seu consentimento, estando a pessoa consciente ou não.

Geralmente, o estuprador é homem e tem sentimentos odiosos em relação às mulheres, sentimentos de inadequação e insegurança em relação à sua performance sexual. Pode apresentar desvios sexuais como o sadismo ou anormalidades genéticas com tendências à agressividade.

O estuprador tem em média 32 anos e a maioria não tem mais do que o 9º ano. A grande maioria sofre de distúrbios mentais e são normalmente pessoas sociais que nunca sentem qualquer tipo de remorsos pelos seus actos.

A vítima, na maior parte dos casos, é estigmatizada, existindo uma tendência social para acusá-la directa ou indirectamente por ter provocado o estupro.

Sente-se impotente até mesmo em denunciar o estuprador, que muitas vezes é alguém já conhecido, sentindo-se muito culpada e com medo de represálias.
                  
Os motivos que levam um homem a violar uma mulher podem ser:
- o objectivo de evidenciar o seu poder sobre a mulher, simplesmente porque é a única forma de se satisfazer sexualmente;
- ou então apenas como acto libidinoso, que é o caso dos que, durante um assalto vêem uma mulher e aproveitam a oportunidade.

A maioria de estupradores culpa as suas vítimas pela violação, ou porque afirmam que elas os provocaram ou porque foram negligentes por andarem sozinhas na rua à noite.

 

- Assédio sexual (molestamento, coacção sexual)

O assédio sexual inclui uma aproximação sexual que não é benvinda, uma solicitação de favores sexuais ou qualquer conduta física ou verbal de natureza sexual.

Existem dois tipos de assédio:

- Quando existe uma pressão sobre a vítima para esta prestar algum favor sexual, se esta se submeter de alguma forma por estar hierarquicamente abaixo do molestador;

- Quando há uma pressão para a vítima se sentir num ambiente desagradável por ser do seu sexo específico. Por exemplo, uma mulher ser hostilizada ou que não seja benvinda por ser uma mulher num determinado ambiente de trabalho, fazendo com que se sinta tão mal a ponto de ter de abandonar o emprego ou permanecer nele, mas sofrendo.

O tratamento dessas vítimas consiste em ajudá-las a tomar medidas legais contra o molestador, treinando-as para identificar quando estão a ser submetidas a esse tipo de abuso.

   

- Exploração sexual profissional

A Exploração Sexual Profissional ocorre quando há algum tipo de envolvimento sexual (ou intimidade) entre uma pessoa que presta algum serviço (de confiança e com algum poder) e um indivíduo que procurou a sua ajuda profissional.             

Pode ocorrer em todos os relacionamentos profissionais nos quais haja algum tipo de poder de um indivíduo sobre outro.

É sempre muito difícil tratar um paciente que foi explorado por um médico ou terapeuta. Há uma incapacidade da vítima para confiar novamente, impossibilitando a aliança terapêutica, extremamente importante para desenvolver o relacionamento saudável médico-paciente e a obtenção de sucesso no tratamento.
            

O profissional abusador enfrenta também muitas dificuldades no seu tratamento. Normalmente procura ajuda apenas quando foi denunciado e indiciado. Existem ainda poucos serviços especializados e direccionados ao tratamento dessas situações.                   

Bibliografia:

         http://juventude.gov.pt/Portal/OutrosTemas/SaudeSexualidadeJuvenil/ProblemasSexualidade/A+viol%C3%AAncia+sexual.htm
h
ttp://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?5

Texto elaborado por Marta Cabrita

«« Voltar para Crimes Sexuais ou para Personalidade de Borderline

 

Livro de Visitas